Bassoon: Classical and Jazz Playing

Wednesday, April 26, 2017

 

When you begin to play the bassoon, it is natural that you will start with classical music repertoire. When I started to play the bassoon, I heard as much as I could of bassoon recordings. I bought several recordings of great musicians, such as Klaus Thunemann, who in my opinion, is the greatest bassoonist of all times. I used to listen the concertos on Thunemann's recordings and try to play Mozart, Vivaldi and other bassoon concertos. Even though there is a huge list of repertoire to be played on the bassoon, I feel that many bassoonists around the world are willing to play something different.

 

When I started to play jazz on the bassoon in 1993, I was trying to learn something different from the stardard bassoon etude books. I was searching for something new to practice with my  bassoon teacher at that time, Francisco Formiga. Formiga and I were trying to find etude books in different instruments such as violin and flute and we found the Charlie Parker Omnibook in bass clef. We bought the book and I started to read that crazy music and I was astonished with that.It was so difficult to play that music and I did not have any reference of bassonists playing jazz. My reference to play jazz on the bassoon was and still is the saxophonists and pianists. I heard many recordings of amazing jazz legends for example, Gerry Mulligan (bariton saxophonist), Charlie Parker, John Coltrane, Serge Chaloff , Michael Brecker, Steve Grossman, Nailor Azevedo(Proveta), Chris Potter, Dave Liebman,Paul Desmond,  Oscar Peterson, Herbie Hancock, Michel Camilo, Duke Ellington.

 

I try to play both styles and it is not easy to do sych thing. The reason is because you must have time enough to practice both styles. Actually,  I think that is very helpful for your playing when you learn classical and jazz because you can be much more creative.

 

Listen to great musicians and do it very carefully is a very important way to learn from them and also is a way to challenge yourself on how to play better.

I think that every classical musician should know at least a little bit of jazz and vice versa. In the end, these two styles are wonderful universes and complete each other.

 

 

 

 

 

 

Fagote :  Clássico ou Jazz?

 

 

Quando você comeca a tocar fagote , é natural que comece com o repertório de música clássica. Quando eu comecei a estudar  fagote , eu ouvia o máximo que eu podia das gravações de fagote. Eu comprei vários discos , como os da  Orquestra Filarmónica de Berlim, do fagotista austríaco Milan Turkovic , assim como os discos  do alemão Klaus Thunemann (que na minha opinião é o maior fagotista de todos os tempos!). O que eu mais gostava de ouvir era as gravações do Thunemann. Eu ficava muito empolgado querendo tocar Vivaldi , Mozart , e muitos outros concertos de fagote que fui conhecendo com o tempo.

Apesar de existir um enorme repertório clásico para fagote, eu tenho a impressão que muitos fagotistas ao redor do mundo que já tocaram esse repertório estão na busca de experimentar mais sons, músicas que ainda não estão no repertório tradicional de fagote.

Quando eu comecei a tocar jazz , em 1993 , eu estava tentando aprender algo além daqueles métodos  tradicionais . Eu estava procurando por algo novo para praticar, juntamente com meu professor de fagote na época, o grande fagotista Francisco Formiga. Eu e o Formiga estavamos procurando adaptar no fagote estudos de outros instrumentos, como flauta, violoncelo, violino, clarinete, saxofone…bum!! foi aí que nós encontramos um livro incrível : Charlie Parker Ominibook  (era um livro de transcrições dos improvisos  do lendário saxofonista Charlie Parker). 

Compramos o livro na hora , e eu comecei a mergulhar naquela música  maluca. Fiquei maravilhado...que música incrível!

Só que era difícil demais de tocar , e eu não tinha nenhuma referência  de algum fagotista tocando jazz. Então minhas referências foram os saxofonistas  e os pianistas. Eu passei a ouvir muitas gravações dos grandes ícones do jazz, como Gerry Mulligan (sax barítono), Charlie Parker, John Coltrane , Serge Chaloff , Michael Brecker, Nailor Azevedo (Proveta) , Chris Potter, Dave Liebman, Paul Desmond, Oscar Peterson, Joe Henderson, Herbie Hancock, Michel Camilo, Duke Ellington, e muitos outros…e foi  aí que eu quis estudar improvisação .

Eu fui muito criticado quando comecei a estudar jazz...fagotistas diziam que era um absurdo tocar jazz no fagote, era uma falta de respeito com esse instrumento tipicamente erudito! Os saxofonistas diziam que eu era um saxofonista frustrado...era muita baboseira que me diziam...até balancei um pouco no começo achando que talvez o fagote não combinasse mesmo com  o  jazz e a música popular. Mas cheguei a seguinte conclusão: o instrumento é  um canal. A música está em nós, e podemos nos expressar muito bem (ou muito mal!) em qualquer estilo através de qualquer instrumento!

Atualmente eu tento tocar os dois estilos, porque eu gosto muito de ambos, mas não é nada fácil. 

Uma das razóes  é que voce tem que ter tempo suficiente para praticar os dois. 

Mas apesar de ser difícil coordenar isso,  eu acredito que no geral  o beneficio é imenso para o músico. Os dois estilos nos ensinam sempre , e você pode se tornar um músico muito mais criativo "bebendo das duas fontes". Existem músicos extraordinarios  que comprovam essa minha teoria: o trompetista Wynton Marsalis, o pianista Friedrich Gulda, o maestro André Previn, entre muitos outros.

Ouvir os grandes músicos com atenção é uma ferramenta muito importante para aprender e também é um caminho para tocar melhor.

Eu acredito que todo músico sério deve conhecer e respeitar o jazz e a música clássica. No final das contas, são estilos músicais maravilhosos  que se completam perfeitamente.

 

Please reload

Featured Posts

Jazz Bassoon Night at "All of Jazz"

November 27, 2013

1/2
Please reload

Recent Posts